Em Destaque:

A morte na panela e os erros criacionistas

Recentemente, assisti a uma pregação do pastor Adeildo de Oliveira Silva, da igreja o qual congrego, que me chamou muito a atenção por est...

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Gênesis - seria tudo um mito? (parte 3)

Ao que podemos ver nos últimos tópicos desse artigo, não existe lá tantos impedimentos para se aceitar a gênese bíblica como se diz... O problema é que alguns elementos da narrativa do Gênesis não possuem e talvez jamais possuam evidência, como a entrada da morte pelo pecado e Lucifer e transfigurando em uma serpente. No entanto, ausência de evidência não quer dizer que algo não aconteceu.

Muitos eruditos modernos consideram os primeiros capítulos de Gênesis como um mito, e não os tomam como históricos. Mas, do ponto de vista teológico, e viável aceitar o Gênesis como alegoria?

UMA PLATAFORMA IMPORTANTE


É fundamental para o cristianismo a doutrina da Salvação, quer dizer, se alguma coisa abala essa tese, então o Cristianismo entra em colapso. No entanto, muitos esquecem ou ignoram a grande relação que os primeiros capítulos da Biblia possui com a Soterologia (doutrina da salvação). Isso porque a morte de Jesus na cruz foi justamente devido ao pecado de Adão.

Como assim? Leia atentamente o artigo disponível no site do projeto "entra na minha casa":

"A princípio parece injustiça o fato de a morte reinar mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança de Adão. Adão é colocado como nosso Pai, significando uma categoria de parentesco que a ninguém é dado o direito de escolha. A expressão paulina: "em Adão todos morrem" (1 Co 15:22a) refere-se, então, a 100% da humanidade: todos fomos feitos pecadores e por isso todos experimentamos a morte(...).

O que parecia injustiça (um único ato de Adão nos trazer a morte), reveste-se na maior misericórdia, quando o juiz maior se satisfaz com também apenas um ato de um só homem, Jesus, para dar opção de vida a todos.

Agora colocamos Jesus, último Adão, não como nosso Pai, mas como nosso marido, significando uma categoria de parentesco que a todos Deus dá o direito de escolher (Nm 36:6). Então, a expressão de Paulo: "... todos serão vivificados em Jesus" não se refere a 100% da humanidade, mas a 100% daqueles que escolheram o marido, isto é, todos que O receberam como Senhor e Salvador (Jo 1:12).(...) A morte espiritual é um fato pelo qual todo ser humano passa; a vida eterna, pelo contrário, só é experimentada por todos que optem, que queiram receber o último Adão em suas vidas."

Em outras palavras, por Adão entrou o pecado no mundo e Jesus tirou o pecado do mundo. Logicamente então, se Adão não existiu, como o pecado entrou no mundo? E, sendo assim, o sacrifício de Jesus na cruz seria em vão...

Ou seja, os primeiros capítulos de Gênesis são como uma plataforma para a teologia cristã. Tira-se ela e a soterologia cristã perde todo o sentido.

Mas fora isso, a questão teológica tem muito ainda a nos dizer com relação ao Gênesis.


A BÍBLIA NÃO OS ALEGORIZA


Existe uma frase que diz o seguinte: "não é a teologia que deve guiar a Bíblia, mas a Bíblia é que deve guiar a teologia". Se levarmos em conta esse pensamento, para aceitarmos Adão e Eva e o resto da gênese bíblica como alegóricos, então a Bíblia deveria tratar desse modo tal passagem n resto de eu conteúdo.

Porém, não é o que acontece. Observe:

1º - A frase (“são estas as gerações de”) usada para registrar dados históricos posteriores em Gênesis (6:9; 9:12; 10:1, 32; 11:10, 27; 17:7, 9) é empregada com respeito a Adão e Eva (Gn 5:1).

2º - cronologias posteriores do AT colocam Adão no topo da lista (1 Cr 1:1).

3º - o NT põe Adão no início da lista dos antecedentes de Jesus (Lc 3:38). Sexto, Jesus referiu-se a Adão e Eva como os primeiros “macho e fêmea”, fazendo da união física deles a base do casamento (Mt 19:4)


4º - O livro de Romanos declara que a morte literal reinou no mundo trazida por um “Adão” literal (Rm 5:14).

5º - A comparação entre Adão (o “primeiro Adão”) e Cristo (o “último Adão”) em 1 Coríntios 15:45 manifesta que Adão é tomado literalmente como uma pessoa histórica.


6º - a declaração de Paulo de que “primeiro foi formado Adão, depois Eva” (1 Tm 2:13) revela que ele fala de uma pessoa real.

7º - Jesus fala a respeito do 1º casal como tendo existido de fato e não sendo alegóricos (Mc 10, 6)

Ou seja, de acordo com todo o resto da Bíblia, e mais precisamente com a teologia cristã, colocar os primeiros capítulos da Bíblia e seus personagens como míticos é simplesmente invável.

CONCLUSÃO

Após toda a análise bíblica e científica feita aqui a respeito dos primeiros capítulos da Bíblia, a conclusão não pode ser outra: é possível que a gênese bíblica seja factual e não alegórica. Tudo depende, também, da foma que imaginamos a historia relatada na Bíblia, pois dificilmente se associa Adão e Eva aos homens-da-caverna, por exemplo.

Conforme ja foi mencionado, no entanto, a discussão a respeito dos pontos de vista relacionados ao livro de Gênesis é muito extensa. O que mostramos aqui são apenas alguns pontos importantes que dizem respeito a esse assunto, mas a questão não se limita somente ao que mostramos, e conforme já foi dito, muitos temas de Gênesis não possuem e jamais possuirão evidências científicas; é por isso que o elemento fundamental para se aceitar o Gênesis como verídico é a fé. Por mais que existam evidências arqueológicas do Gênesis, sem fé não tem como crermos integralmente no Gênesis (Hb 11,1 - 3)

BIBLIOGRAFIA

http://www.miva.org.br/entranaminhacasa/index.php?option=com_content&view=article&id=17:licao-02-o-primeiro-adao-e-o-ultimo-adao-morte-e-ressurreicao&catid=12:pre-encontro&Itemid=6

http://fotolog.terra.com.br/landeira:88

http://bibliotecabiblica.blogspot.com/2010/11/adao-e-eva-apenas-um-mito.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+BBO+%28Estudos+B%C3%ADblicos+%7C+Teologia+%7C+Artigos+B%C3%ADblicos%29

http://pt.wikipedia.org/wiki/Interpreta%C3%A7%C3%A3o_aleg%C3%B3rica_do_G%C3%AAnesis

http://en.wikipedia.org/wiki/Homo_heidelbergensis

2 comentários:

  1. "... sem fé não tem como crermos integralmente no Gênesis"

    Ou seja: qualquer mentira vira verdade diante da Fé.

    ResponderExcluir
  2. Manoel, acho que você não leu nem a parte 1 do artigo nem a parte 2, também porque você "comeu" o começo da frase:"Por mais que existam evidências arqueológicas do Gênesis, "Por mais que existam evidências arqueológicas do Gênesis,(...)". Essas evidências se encontram não só nesse artigo, mas também em outras páginas desse blog. Como disse Jesus, "conhecereis a verdade e a verdade vos libertará".

    Fique com Deus!

    ResponderExcluir